Idosa é atropelada e morre; médico dirigia veículo com placa de Cataguases

0
201
Idosa
Reparos já começaram no local onde carro atropelou idosa e atingiu imóvel (Foto: Reprodução/TV Integração)

Uma idosa, de 74 anos, morreu após ser atropelada na calçada neste sábado (19) na Rua Vicente Beghelli, no Bairro Dom Bosco, em Juiz de Fora. Segundo informações do Centro de Operações da Polícia Militar (Copom), um médico, de 28 anos, é quem dirigia a caminhonete com placas de Cataguases que atingiu a vítima.

Idosa

Ele admitiu aos policiais ter ingerido bebida alcoólica e recebeu voz de prisão. O delegado de plantão, Francisco Correa Rezende, confirmou o flagrante. No entanto, como o motorista se sentiu mal, foi encaminhado para atendimento no Hospital de Pronto Socorro (HPS).

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) confirmou que ele está internado no hospital sob escolta do Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp). O G1 aguarda retorno da Secretaria de Saúde sobre o estado de saúde.

Atropelada na calçada

Segundo o Copom, a ocorrência foi registrada no início da manhã deste sábado. Testemunhas viram o motorista perder o controle da direção do veículo, subir na calçada e atingir a idosa e um imóvel.

A idosa estava varrendo a calçada quando foi atropelada. De acordo com vizinhos, ela era servidora aposentada do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (Demlurb) e era conhecida no bairro. A PM informou que a idosa teve lesões graves e foi encaminhada ao Hospital de Pronto Socorro (HPS). A assessoria da Secretaria Municipal de Saúde confirmou ao G1 que a vítima morreu no início desta tarde.

“Era uma pessoa muito ativa, não parava, esperta, varria rua, pegava lixo, brincava com todo mundo, não tinha uma pessoa aqui que não gostava dela”, lamentou a comerciante Mônica Almeida.

O impacto da batida derrubou a parede da casa e deixou a porta de ferro retorcida. O entulho estava na calçada nesta tarde, quando os moradores já faziam os reparos.

O imóvel foi vistoriado pela equipe da Defesa Civil. Em nota, a subsecretaria informou que o veículo “atingiu uma viga da frente e abalou a parede. O proprietário foi orientado a escorar a frente do imóvel que foi atingido para fazer a consolidação da viga e da parede. Ele é pedreiro e o vizinho engenheiro, portanto ele vai fazer com o auxílio do vizinho. Não há risco estrutural para a casa, pois a mesma é estruturada”.

O médico contou a moradores que teria cochilado ao volante. “Ele explicou que trabalhou muito, deu plantões nesta noite e estava com sono”, disse a dona de casa Ângela de Souza.

No entanto, a Polícia Militar (PM) confirmou ao G1 e ao MGTV que registrou na ocorrência que o motorista confessou ter ingerido cerveja, mas se recusou a fazer o teste de etilômetro. “Ele foi levado preso para ser apresentado ao delegado porque estava com sintomas de embriaguez. Posteriormente, ele se sentiu mal e foi levado para o hospital para ser medicado”, explicou o sargento Gilberto Cerqueira.

O delegado de plantão, Francisco Correa Rezende, não quis gravar entrevista. Explicou que o médico foi autuado em flagrante. Ele irá responder por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, na direção de veículo automotor. O carro foi apreendido.

G1