Futura mamãe brasileira descobre estar grávida de quíntuplos

0
112
Ser mãe pela primeira vez, e cinco vezes ao mesmo tempo, foi uma grande surpresa para a autônoma Mariana Mazzelli, de 35 anos. A futura mamãe

Ser mãe pela primeira vez, e cinco vezes ao mesmo tempo, foi uma grande surpresa para a autônoma Mariana Mazzelli, de 35 anos. A futura mamãe e o pai, o comerciante Jayme Reisen, 36, esperam ansiosos a chegada dos bebês.

Futura mamãe

A gestação de 24 semanas revelou o sexo dos bebês, que já ganharam nomes: Jayme, Benício, Bella e as gêmeas univitelinas Laís e Beatriz.

“A gravidez era um sonho meu e do meu marido. Ano passado, nessa mesma época, a gente se perguntava se iríamos conseguir ter nosso baby e fomos presenteados com essas bênçãos, porque poder gerar vidas é uma dadiva de Deus, ainda mais cinco”, comemora ela.

A gestação de Mariana foi natural e, na primeira ultrassonografia, o casal descobriu que ela estava esperando cinco bebês.

“Minha gravidez foi natural, porém tomei remédio para ovulação. Descobri a gravidez bem no início mesmo, quando estava com duas semanas. Porém não sabia que seriam cinco. A descoberta de que seriam quíntuplos foi com cinco semanas. No dia do primeiro ultrassom foi uma loucura. Fiquei tão nervosa que até atrapalhei o exame”, conta Mariana.

A gestação natural de quíntuplos, surpreendeu até mesmo a médica radiologista Anna Lucia Silva Campos, que acompanha a autônoma. Pós-graduada em medicina fetal, pela fundação de medicina fetal latino-americana, e membro titular do colégio brasileiro de radiologia e diagnóstico por imagem, a médica está acostumada a atender gêmeos e trigêmeos, mas essa é a primeira vez que acompanha quíntuplos.

Mariana

“Cada gestação é acompanhada de perto e com muita atenção. A gravidez múltipla, no caso da Mariana, de quíntuplos, é uma gravidez acompanhada ainda com mais frequência e requer uma maior atenção”, conta a médica.

A mãe já adiantou, “Será cesariana sim, até mesmo pelo número de bebês. Estamos trabalhando com metas. Estou com 24 semanas atualmente, e iremos até o máximo que der para segurar os bebês, pois quanto mais longe conseguirmos chegar, melhor será para os bebês”, completa Mariana.

Jornal A Tribuna